Fitas


















































FITAS é resultado de um trabalho experimental com tecido plástico colorido cortado manualmente. Composto de dois momentos: AÇÃO e DESCANSO. AÇÃO segue a proposta de utilizar três cores primárias agrupadas 3 a 3, em todas suas combinações possíveis. Uma articulação simples, disposta ordenadamente em linhas verticais, resulta em um ritmo colorido em progressão.
DESCANSO se opõe à situação de atividade e raciocínio lógico. O tecido plástico está informalmente disposto. Duas novas cores foram acrescentadas e acumulam-se em pontos na parede, equidistantes, também em forma de fitas, separadas por cor. Dão ao mesmo tempo a sensação de um estado de pausa ou de estar a um passo para iniciar uma nova atividade.
É uma obra que propõe uma imagem ativa. Primeiramente quer atrair em função de seu intenso colorido, depois encaminha o observador à reflexão. A idéia que no intervalo entre os dois momentos, possa se pensar sobre as disposições apresentadas, sobre as próprias cores e em outras relações. Trabalhar com combinações gera um número infinito de possibilidades. No primeiro momento, AÇÃO, a questão já aparece resolvida com um método serial, simples, em três cores. O que poderia ser montado á partir das fitas em DESCANSO com cinco cores?

STRIPES is the result of an experimental work with colored plastic texture, manually cutted. Composed in two moments: ACTION and PAUSE. ACTION’s proposition: use the three primary colors group 3 by 3, in all possible combinations. A simple arrangement, in order, in vertical lines, results a coloured rhythm in progression. 
PAUSE is placed in opposition to the activity situation and logic thoughts. The plastical texture is informally disposed. Two new colours were added. All of them accumulated in points, identically distant, hanging on the wall. They are equally cutted in stripes format and separated by colour giving it a rest sensation and at the same time being ready to start a new activity. 
This art work proposes an active image. The first approach is its colorful performance, but it takes the spectator to a reflexion path. In the gap of the two moments, emerges the possibility to think about the present arrangement, colours and other analogies. Working with combinations creates an infinit number of possibilities. In first moment, ACTION, with three colours, the problem is presented solved with a simple, serial method. What could be done in PAUSE, with it’s stripes in five colours?